Interação medicamentosa: quais são os riscos de se medicar sem orientação profissional?

Você sabe o que é interação medicamentosa? Essa condição relacionada ao uso de medicamentos pode causar sérios riscos para o paciente. Além disso, também pode prejudicar o tratamento realizado.

Portanto, é necessário que os pacientes consultem um profissional da saúde antes de iniciar qualquer tratamento. Isso evita possíveis reações desagradáveis, além de garantir a eficácia dos tratamentos.

Continue a leitura para saber tudo sobre as interações medicamentosas!

O que é interação medicamentosa?

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, a interação medicamentosa abrange a resposta farmacológica ou clínica gerada quando dois medicamentos são administrados juntos. Isso significa que a resposta será diferente de quando determinado medicamento é utilizado individualmente.

Os profissionais da saúde ficam encarregados de identificar possíveis casos de interação medicamentosa para evitar que elas ocorram. Por isso, é necessário que os pacientes informem sobre o uso de qualquer medicamento durante as consultas.

Riscos das interações medicamentosas

Muitos pacientes recorrem à automedicação quando estão com algum sintoma, podendo ingerir até mais de um remédio diferente. No entanto, a interação medicamentosa pode causar diversas reações, como, por exemplo:

  • O medicamento pode não fazer efeito;
  • Taquicardia;
  • Aumento na pressão arterial;
  • Tontura;
  • Dores no estômago;
  • Náuseas;
  • Lentidão nos reflexos;
  • Alterações no humor.

Quais são os tipos de interações medicamentosas?

Veja, a seguir, alguns tipos de interações medicamentosas mais comuns:

Interações medicamentosas maléficas

Na maioria das vezes, as reações provocadas pelas interações medicamentosas são prejudiciais aos pacientes. Normalmente, isso ocorre após a automedicação, ou, até mesmo, por erros na prescrição.

Efeitos colaterais comuns são causados pela intoxicação medicamentosa, e podem agravar os sintomas e piorar a doença. Os impactos podem ser leves, porém, alguns casos mais graves exigem que o paciente seja hospitalizado.

Interações medicamentosas benéficas

Em alguns casos, as interações medicamentosas são prescritas pois podem ser benéficas ao tratamento. Isso significa que o paciente irá combinar medicamentos que, juntos, otimizam o efeito terapêutico.

Interações medicamentosas com alimentos e bebidas

Alguns medicamentos podem ter reações adversas se forem ingeridos junto com certos tipos de alimentos e bebidas. E uma das interações medicamentosas mais perigosas é a combinação de medicamentos com bebidas alcóolicas. Isso porque ela pode cortar os efeitos do medicamento, ou, até mesmo, aumentar as chances de uma reação adversa. Um exemplo é a interação entre o álcool e o paracetamol, que pode causar danos sérios ao fígado.

Além disso, os medicamentos para o controle da pressão podem reagir com alimentos muito gordurosos, embutidos, chocolates e queijos. O uso de antiinflamatórios junto com o chá de ginseng pode causar dores de cabeça e dificuldades para dormir.

Interação medicamentosa do tipo medicamento-medicamento

O uso combinado de mais de um medicamento ao mesmo tempo também pode provocar uma interação medicamentosa. Os antiácidos, por exemplo, podem diminuir a absorção dos antiinflamatórios, reduzindo o efeito terapêutico e prejudicando o tratamento.

Interação medicamentosa do tipo medicamento-exame laboratorial

Alguns medicamentos podem causar alterações em exames laboratoriais. Por isso, é importante que o paciente sempre informe sobre os medicamentos que estiver utilizando. A amoxicilina, por exemplo, pode indicar uma falsa presença de glicose na urina.

Formas de evitar as interações medicamentosas

  • Evite a automedicação;
  • Sempre leia a bula dos medicamentos antes de iniciar um tratamento;
  • Converse com o seu médico e não deixe de informá-lo sobre todos os medicamentos que faz uso;
  • Pergunte ao médico sobre o que deve ser evitado durante o tratamento.

Por isso, é importante que o paciente evite a automedicação, mesmo se for alguma indicação de amigos ou familiares. Em casos de sintomas, sempre consulte um profissional. E, devido ao coronavírus, a telemedicina tem sido uma alternativa mais segura para o atendimento médico.

A W3.Care desenvolveu o TeleCare Consultório, uma plataforma que possui todos os recursos necessários para o atendimento por telemedicina. Com ele, é possível realizar teleconsultas em qualquer lugar, sem dificuldades e burocracias para agendar o atendimento com um especialista.

Além disso, o TeleCare Consultório possui o recurso de prescrição médica digital, dentro do padrão ICP-Brasil, garantindo a segurança e a eficiência dos processos no consultório. A plataforma ainda possui o recurso de notificar o profissional em casos de possíveis interações medicamentosas, minimizando os riscos de reações adversas.

Com ele, o profissional pode controlar a agenda, criar prontuários digitais, emitir laudos e prescrições, fazer a gestão do consultório e realizar teleconsultas sem a necessidade de utilizar aplicativos externos. Tudo isso sem nenhum custo extra para o profissional, pois todos os recursos estão incluídos na assinatura da plataforma. Além disso, os pacientes também têm acesso gratuito à plataforma, e podem agendar teleconsultas de forma simples e descomplicada. Faça um teste grátis e conheça a plataforma que veio revolucionar o setor da saúde!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.