Residência médica: tudo que você precisa saber!

Se você é aluno ou pretende ingressar em um curso de Medicina, sabe que irá enfrentar um longo trajeto profissional. Além dos seis anos de estudos para graduar-se e conseguir o registro do Conselho Regional de Medicina (CRM), muitos médicos desejam conquistar uma vaga na residência médica.

Essa não é uma etapa obrigatória para exercer a profissão. No entanto, a residência médica é a primeira opção da maioria dos recém-formados em medicina, pois ela funciona como uma pós-graduação.

Quer saber mais sobre como funciona a residência médica? Continue a leitura para tirar suas dúvidas sobre o assunto!

O que é uma Residência Médica?

Após a conclusão da graduação em Medicina, o profissional conquista o registro profissional junto ao CRM para ingressar no mercado de trabalho. O registro permite que ele atue apenas como generalista, pois é necessário fazer a residência médica para se especializar.

A residência médica é um programa de pós-graduação com treinamentos realizados em hospitais com a supervisão de profissionais qualificados na área. O programa foi regulamentado pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977.

Através da residência médica, os alunos realizam atividades práticas para aprofundar os conhecimentos teóricos no ambiente hospitalar. O programa é considerado o “padrão ouro” da especialização médica. Além disso, é uma oportunidade para que os recém-formados experimentem o dia a dia da atuação médica, acompanhando casos reais.

Como ingressar em uma residência médica?

A residência médica é uma atividade remunerada, que pode ser exercida em instituições de saúde credenciadas. No entanto, as vagas são limitadas, o que torna o processo de seleção ainda mais concorrido. Saiba como funciona a seleção para ingressar em um dos programas de residência médica:

Processo seletivo para médicos residentes

A primeira fase do processo seletivo para a residência médica é composta por uma prova teórica, que exige os seguintes conhecimentos:

  • Clínica Médica;
  • Ginecologia e Obstetrícia;
  • Cirurgia Geral;
  • Pediatria;
  • Medicina Preventiva e Social.

No entanto, as disciplinas podem variar de acordo com a especialidade de interesse do candidato. Essa fase possui maior peso na análise final.

Na segunda fase, é realizada uma análise e arguição curricular. Ela é feita por uma banca examinadora especializada, que analisa os currículos de acordo com a vida acadêmica e a experiência do candidato.

As diferenças entre a residência médica e a especialização

Embora uma especialização comum também seja considerada uma pós-graduação, existem algumas diferenças entre a residência médica e as especializações lato sensu em Medicina. Confira:

Titulação

Ao contrário de outras profissões, os cursos de especialização lato sensu na área médica não conferem o título de especialista imediatamente. Nesse caso, o estudante deverá ser aprovado em uma prova de títulos reconhecida pela Associação Médica Brasileira em sua área de atuação. No entanto, a residência médica fornece o título de especialista após o encerramento do programa.

Remuneração

Durante a residência médica, os profissionais recebem uma bolsa-auxílio no valor de R$3.330,43. Entretanto, na especialização tradicional, não há remuneração.

Carga horária

Os cursos de especialização lato sensu possuem carga horária mínima de 360 horas, sem determinação sobre a carga horária máxima. Por outro lado, a residência médica tem carga horária de 2.880 horas, com o máximo de 60 horas semanais, incluindo os plantões.

Quais são as atribuições do residente?

Um médico residente terá diferentes atribuições em seu dia a dia nos hospitais, como:

  • Acompanhar pacientes internados;
  • Substituir eventualmente os médicos da equipe;
  • Realizar o atendimento nos ambulatórios especializados;
  • Participar dos plantões;
  • Responsabilizar-se por casos de urgência em sua especialidade.

Além da oportunidade de atuar com profissionais qualificados, os médicos residentes também lidam diretamente com os pacientes.

Qual a importância da Residência Médica?

A residência médica é extremamente importante para o aprendizado prático e o desenvolvimento profissional do recém-formado. A possibilidade de vivenciar casos reais traz importantes habilidades para o trabalho.

Agora que você já sabe como funciona uma residência médica, aproveite para ler também o nosso artigo sobre interação medicamentosa, que pode causar sérios riscos para o paciente e  pode prejudicar o tratamento realizado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.